quarta-feira, 4 de maio de 2016

QUEM GANHA NA CONCILIAÇÃO DE CLASSES ?


QUEM GANHA NA CONCILIAÇÃO DE CLASSES ?

A história está repleta de exemplos. Quando os trabalhadores optam por alianças com segmentos das classes dominantes, sem levar em conta os limites históricos e materiais de concessões em tais alianças, terminam por virarem bucha de canhão na recomposição das classes dominantes.

Banqueiros, empreiteiros e latifundiários do agronegócio brasileiros não traíram ninguém. Quem traiu foi quem achou que, representando os trabalhadores, pensou em contar com a eterna cobertura desses segmentos da classe dominante por conta de um pacto conservador que, mais dia menos dia, chegaria a um ponto de contradição de interesses. E a saída não poderia ser outra senão as reveladas nos exemplos anteriores.

Usam a forca, a guilhotina, o golpe militar ou o mais suave, mas não menos cruel,  golpe institucional, como meio de reconduzir os setores oprimidos a seu devido lugar, em maior grau de exploração do que o antes vivido. 

Esse é o caso brasileiro, hoje escandalizado com a ostensiva adesão dos "amigos", '"novos companheiros" e "aliados" que Lula reverenciou durante sua trajetória palaciana ao golpe que pode levá-lo à prisão.

E poderia não ser assim, como os defensores incondicionais do lulopragmatismo insistem em questionar?

Claro que poderia, ou teríamos de concordar que a história já chegou a seu fim com a vitória do "livre mercado" predador, o que a vida real vem mostrando não ser verdade.

Primeiro, na América Latina, com os exemplos consolidados de Evo Morales e Rafael Correa, a superar obstáculos insuperáveis e não se submeter à lógica do lulopragmatismo e sua "governabilidade". 

Mas mais significativamente com a constatação de uma nova consciência rebelde, até revolucionária, se manifestando nas potências capitalistas, através de Jeremy Corbyn na liderança do Labour Party inglês, e Bernie Sanders, nos Estados Unidos.

Ambos são socialistas declarados. Não só de palavras, mas por programas governamentais ostensivamente anticapitalistas. O êxito político e mobilizador de suas empreitadas quebra a arrogância e deixa os operadores de Wall Street e da City londrina à beira de um estado de nervos.

Ou seja: é onde as lideranças da esquerda ousam enfrentar a hegemonia do senso comum, que tenta impor o pensamento único da inevitabilidade do liberalismo capitalista como alternativa, que a esperança de vida mais justa e socialmente democrática se afirma sobre a perspectiva de barbárie e autodestruição que a globalização financeirizada potencializa.

 Luta que Segue !


Milton Temer é jornalista.

4 comentários :

  1. O Temer sempre preciso e brilhante. Nada mais a acrescentar neste artigo. Em poucos linhas resumiu essa triste epopeia petista.
    Paulo Campos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciso também o seu comentário meu caro.
      Abraço.

      Excluir
  2. Esse cara é parente do michel temer ?
    Ninguém merece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não meu caro, nada a ver, apenas coincidência no sobrenome, rsrs !!

      Excluir